Walt Disney perde representante de topo da Disney+

  •   20/05/2020 - 11h16
  •   DEHOUI Lionel

Há apenas alguns meses, a Walt Disney lançou a sua plataforma de streaming Disney+ em todo o mundo. Esta plataforma é um bom concorrente da Netflix, Apple TV, Amazon Prime video... Com efeito, o seu lançamento teve início em pleno e, em apenas alguns meses, o serviço atraiu mais de 50 milhões de assinantes em todo o mundo. Um sucesso total! O responsável por este serviço de streaming não era outro senão o apelido de "Disney Boy", Kevin Mayer. Desde 2005 que está na empresa, o Sr. Mayer era um membro importante da equipa. Foi nomeado Presidente da divisão Direct-to-Consumer & International da The Disney Company em 2018. O homem tinha estado ao leme da Disney+, um serviço importante desde o seu lançamento em Novembro de 2019.

Negocie a ação Walt Disney!
80.5% das contas de clientes particulares perdem dinheiro, ao transacionar CFDs com este provedor. Deve ponderar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o risco elevado de perder o seu dinheiro.
Walt Disney perde representante de topo da Disney+
Direitos autorais da imagem: Coolcaesar / CC BY-SA

O percurso profissional de Kevin Mayer

Kevin Mayer começou como sócio da L.E.K. Consulting nos Estados Unidos no mundo do entretenimento. Especializado em entretenimento e media, foi gestor da secção de Internet da Clear Channel Communications, uma multinacional americana activa no audiovisual, publicidade e organização de eventos (concertos e festivais). Esta experiência durou de 2000 a 2002. Kevin Mayer foi também sócio e assistente global da "Media and Entertainment Practice" da L.E.K. Consulting entre 2002 e 2005.

Juntou-se então à Walt Disney em 2005. E a história é o que é. Este homem deu o melhor de si próprio, desempenhando brilhantemente as suas funções. Em Fevereiro, foi mesmo visto como o sucessor de facto de Bob Iger, CEO da empresa centenária. No entanto, foi outro, Bob Chapek, que tomou as rédeas. Ele tinha sido nomeado pelo Conselho de Administração para assumir o trono no lugar de Mayer.

 

O chinelo de Kevin Mayer

Kevin Mayer esperava certamente gerir a Disney como a especulação tinha previsto. Ele tinha boas hipóteses de ocupar este cargo e de assumir as suas responsabilidades, uma vez que já tinha dado provas de brilhantismo. No entanto, foi decidido o contrário. Foi um golpe duro que o homem levou. Ele não hesitou em ir a outro lado.

 

O retrocesso

O jovem de 58 anos virou-se para outros horizontes ainda em entretenimento ao aceitar a sumptuosa oferta dos promotores da aplicação vídeo Tik Tok.

Kevin Mayer disse no New York Times: "Eu estava feliz na Disney, mas o alcance da oportunidade que me foi dada era tão grande que era impossível recusá-la". Isto diz tudo!

 

A difícil situação da Disney

Neste momento, a Disney está no seu pior nestes tempos difíceis. A crise sanitária não deixou de o pôr de joelhos também. O confinamento em todo o mundo tinha-o forçado a fechar as suas portas. O anúncio da demissão de Bob Iger também tinha mergulhado as suas finanças no vermelho. De facto, nos mercados, as notícias eram como uma bomba.

Na sequência deste anúncio, as ações da Disney perderam 1,6% em negociação electrónica após o encerramento do mercado bolsista. Esta nova partida de uma das figuras emblemáticas do grupo não ajuda, portanto, em nada. A Disney já está a sofrer um revés sem precedentes na sua história. A notícia da partida do "Disney Boy", revelada por vários meios de comunicação social americanos em 18 de Maio de 2020, não terá certamente um bom efeito.

 

A Nova Era: Tok Tik

Kevin Mayer é agora CEO desta nova aplicação de vídeo, que entrou recentemente em voga. É a tendência da moda do momento. Toda a gente está a entrar nela, desde a pessoa comum até à estrela global. Com mais de 2 mil milhões de downloads no final de Abril, o Tik Tok é adoptado por todos. Vídeos humorísticos, coreografia, performance vocal..., tudo passa para o maior prazer dos seus criadores.

Popular entre os mais jovens, a Tik Tok é uma rede social de fácil instalação. Tudo o que precisa é de uma conta no Facebook, Instagram, Twitter ou uma conta de e-mail para poder utilizar o Tik Tok. O princípio é bastante simples: publicar vídeos curtos. Este pedido vem da China, onde se chama Douyin. Foi lançado pelo gigante ByteDance.

Kevin Mayer torna-se então o director de uma das empresas que mais rapidamente cresceu nos últimos anos. Cabe a ele escrever mais uma vez uma bela página da sua história e da da sua nova equipa.