Índice S&P 500: Cotação e gráfico

Doravante, os brokers CFD possibilitam aos seus usuários negociar com diversos ativos financeiros e, notadamente, no mercado de índices financeiros internacionais. Dentre os grandes índices mais plebiscitados pelos investidores individuais, encontra-se o S&P 500 que vamos apresentar mais detalhadamente neste artigo. Com efeito, você encontrará nesta página o gráfico da cotação ao vivo desse índice e uma análise histórica da sua cotação nos dez últimos anos. Essas informações podem ajudá-lo a desenvolver estratégias de negociação eficazes.  

Invista no S&P 500 agora!
Índice S&P 500: Cotação e gráfico
Os CFDs são instrumentos complexos e comportam um nível de risco elevado de perder dinheiro rapidamente devido à alavancagem. 65% das contas de clientes particulares perdem dinheiro, ao transacionar CFDs com este provedor. Deve ponderar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o risco elevado de perder o seu dinheiro.

Classificação: 4.13 23 votos

 

Acerca do S&P 500:

O S&P 500, também chamado SPX, é um índice financeiro americano. Mais especificamente, como o nome sugere, ele relaciona as 500 maiores empresas cotadas no mercado financeiro nos Estados-Unidos. Seu nome é também associado à empresa Standard & Poor’s, uma das três maiores agências de notação financeira.

O índice S&P 500 foi criado em 1950 e é, hoje em dia, o mais representativo do mercado financeiro americano, antes mesmo do Dow Jones. Composto por um grande número de empresas, ele leva em conta a capitalização financeira de cada uma delas. Aliás, temos com elas uma boa representação dos setores de atividade mais prósperos dos Estados-Unidos.

 

Análise histórica da cotação do índice financeiro S&P 500:

A análise gráfica dos dez últimos anos da cotação do S&P 500 já é, por si só, muito interessante, pois ela informa da evolução da economia americana como um todo.  Assim sendo, observam-se, desde 2005, dois grandes períodos altistas.

A primeira tendência altista levou o S&P 500 a atingir a marca de 1.557 pontos em outubro de 2007, após mais de dois anos de progressão em alta. Depois desse período, observou-se uma correção baixista que perdura por cerca de dois anos, carregando o S&P 500 para seu ponto historicamente mais baixo, com 683 pontos em março de 2009.

Finalmente, após esse episódio negativo, o S&P 500 seguiu novamente uma tendência altista forte que perdura até hoje. A cotação desse índice estava em mais de 2.000 pontos no início de 2015.

 

Evolução provável do S&P 500:

Ao observar os gráficos financeiros detalhados acima, existe muita probabilidade de que o índice S&P 500 prossiga na sua tendência altista, o que torna pertinente um posicionamento em longo prazo. No entanto, haverá de ficar atento a uma possível correção baixista que, também, poderia ser muito forte.

Os micro-movimentos permitem, também, para os investidores Forex e binários, obter lucros sobre períodos de trading mais curtos. Em todos os casos, a saúde econômica americana e as decisões tomadas pelo governo nesse campo, terão grande influência sobre as cotações.

 

As maiores empresas que compõem o índice financeiro S&P 500:

Para melhor conhecer o índice S&P 500, propomos agora de saber mais acerca de sua composição. Evidentemente, não vamos citar aqui as 500 empresas que o compõem, apenas as mais importantes. Lembremos, no entanto, que, além de todos os títulos do índice Dow Jones, esse índice financeiro integra outros 470 títulos.

Os títulos mais conhecidos integrando esse índice financeiro são, notadamente, as seguintes ações: Apple, Oracle, Bank of America, Google, Qualcomm, Berkshire Hathaway, Wells Fargo, Citigroup, Kraft Foods, Microsoft, PepsiCo, ou ainda Comcast.

Dentre esses títulos, os mais importantes são certamente os títulos Google e Apple, que são componentes essenciais do índice S&P 500, haja vista que sua cotação é elevada demais para que sejam integradas ao Dow Jones. Essas empresas, claro, são bastante ponderadas, mas não chegam a perturbar o índice S&P 500, como poderia acontecer com o Dow Jones, visto a composição muito mais abrangente desse primeiro índice.

 

Os setores de atividades representados pelo índice S&P 500 e sua repartição:

Sempre no intuito de conhecer melhor o índice financeiro S&P 500, propomos agora de descobrir mais acerca dos setores de atividade que são representados nele. Para tanto, efetuamos uma classificação que aponta para o peso de cada setor na composição do índice, do mais importante ao menor.

  • O setor tecnológico é o mais pesado nesse índice, com um peso de 17,73%;
  • O setor de serviços financeiros fica em segundo lugar de importância, com um peso de 16,71%;
  • Em terceiro lugar encontra-se o setor da saúde e tratamentos, com um peso de 12,97%;
  • Os produtos de consumo discricionário representam 12,18% do peso total desse índice; 
  • Vem depois o setor de energia, com um peso de 10,51%;
  • Os bens de consumo corrente representam 10,41% desse índice;
  • A indústria representa 10,28% do peso total desse índice;
  • O setor de materiais representa aproximadamente 3,32% do peso total desse índice financeiro;
  • Finalmente, o setor de telecomunicações representa 2,58% do índice S&P 500.

Evidentemente, essa distribuição é suscetível de evoluir a medida das modificações trazidas à composição desse índice e é necessário ficar atento a essas mudanças.

 

Como se efetuam as entradas e as saídas das empresas no índice S&P 500?

Entremos mais um pouco em detalhes, agora, para explicar como as empresas podem ser integradas na composição do índice S&P 500. Para ingressar no índice, é necessário que a capitalização financeira de uma empresa esteja dentre as 500 maiores capitalizações dos Estados‑Unidos. Mas outros critérios também são avaliados no processo de admissão de uma empresa no S&P 500.

Com efeito, a empresa deve ter uma capitalização financeira mínima da ordem de 4 bilhões de dólares. Tem de ter, também, uma quantia suficiente de ações nas mãos do público. No que se refere à liquidez, o volume mínimo de transações é de 250 mil ações mensais para que uma empresa possa ser avaliada.

Uma empresa que entra no índice S&P 500 deve apresentar uma classificação afirmada num determinado setor de atividade e estar inscrita na Bolsa de Nova Iorque ou no Nasdaq durante um tempo julgado suficiente.

Finalmente, a última condição para entrar na composição do S&P 500 concerna à viabilidade financeira da empresa. Com efeito, cada vez que uma empresa entra no índice, constata-se uma alta da cotação dos seus títulos financeiros. Isso se deve ao fato de que os responsáveis pelos fundos de índices compram geralmente títulos daquela empresa, no intuito de replicar o S&P 500 na sua carteira. Portanto, é interessante para você também utilizar essa especificidade e tomar posições de compra sobre títulos que entram na composição desse índice.

 

De que maneira é calculada a cotação do índice S&P 500 e como ele é ponderado?

Veja agora como é ponderado o índice S&P 500. Com efeito, o método utilizado para a ponderação desse índice é diferente daquele usado para ponderar o Dow Jones, dado que este método pondera as empresas a partir de sua capitalização financeira global.

Devido a essa especificidade, o índice financeiro S&P 500 informa melhor o tamanho e o valor global de uma empresa, haja vista que não se basta, exclusivamente, com o preço de cada título. Notar-se-á também que a técnica de ponderação por capitalização, própria desse índice, é uma técnica flutuante, nesse sentido que não leva em conta o conjunto de ações disponíveis para comércio entre investidores individuais e profissionais. Essa técnica, portanto, não leva em conta as ações detidas pela própria empresa ou pelos governos.

Quanto ao cálculo do índice S&P 500, ele usa uma divisão determinada pela Standard & Poor’s. Trata-se de somar o conjunto das capitalizações financeiras das 500 empresas que compõem o índice e dividir esse total pelo número de empresas.

Evidentemente, esse número evolui com o tempo. Ele é revisto para cima ou para baixo conforme determinados eventos, como a emissão de títulos, as operações de fusão, as mudanças na composição do índice ou as trocas de títulos. Uma verificação periódica é necessária a fim de garantir que a cotação do índice não foi modificada com esses eventos.

 

Números-chaves acerca do valor do índice financeiro S&P 500 no tempo:

Durante as últimas décadas, a cotação do índice S&P 500 sofreu muitos altos e baixos que é interessante conhecer se você considera especular sobre sua cotação. Lembraremos de que, notadamente, esse índice alcançou o recorde de 1.552,87 pontos em 2000, pouco antes da explosão da bolha da Internet. Logo depois, o índice sofreu uma queda importante, com a perda de mais de 50% do seu valor, uma queda que chegou aos 768,63 pontos em 2001/2002.

No decorrer dos anos 2000, o índice S&P 500 retomou sua ascensão, alcançando um novo recorde com 1.561,15 pontos em outubro de 2007. A crise financeira de 2008 provocou nova queda, levando o índice a seu nível mais baixo em 13 anos, chegando na marca de 676,53 pontos em março de 2009.

Finalmente, foi em 2013 que o índice S&P 500 subiu novamente em mais de 25%, notadamente por causa do QE3, um conjunto de flexibilizações quantitativas do FED e a impressão de mais de 85 bilhões de dólares mensais em compra de títulos apoiados em créditos hipotecários e títulos do Tesouro. Devido a essa política monetária, o valor do índice na Bolsa de Valores teve uma alta espetacular e, naquele ano de 2013, o S&P 500 alcançou seu recorde histórico de 1.752,52 pontos.

 

Algumas recomendações complementares para especular com eficácia na cotação do índice financeiro S&P 500:

Para implementar uma estratégia de trading eficiente sobre a cotação do índice S&P 500, você deve, previamente, se lembrar de algumas regras simples e conhecer as informações mais importantes que lhe dizem respeito.

Em primeiro lugar, saiba que a maioria dos contratos a termo sobre o índice S&P 500 são negociáveis a partir das 21:01 até às 19:14 do dia seguinte (hora de Lisboa), somente de segunda a sexta. Você deverá, portanto, centrar suas análises nessa faixa horária.

Note também outra especificidade do índice S&P 500, é que flutua por acréscimos de 0,25 ponto. Você deve, portanto, ajustar seus gráficos financeiros e sua periodicidade em função dessa flutuação.

A maior parte dos brokers, ou corretoras, que lhe permitem especular na cotação do S&P 500, exigem uma margem mínima de 0,5% com alavancagem de 1:200. Ademais, o montante mínimo de transação é de 1 índice.

Enfim, note que a moeda utilizada para negociar o índice S&P 500 é o dólar americano.

No que se refere às estratégias a serem implementadas com esse tipo de índice, você pode se basear em grande parte na análise técnica, utilizada pela maioria dos investidores sobre esse valor. Convém também, evidentemente, acompanhar de perto a evolução das capitalizações financeiras das empresas que compõem o índice, bem como os elementos que o influenciam. Dessa forma, você poderá antecipar da melhor maneira as futuras variações de cada título e, logo, do índice S&P 500 como um todo.

Lembremos, finalmente, de que determinados eventos importantes, como a entrada ou a saída de uma empresa da composição do índice, terão uma influência direta sobre sua cotação, bem como os eventos afetando a saúde financeira de um dos setores de atividade representados nesse índice.

Como investir no S&P 500?

Se você tiver interesse em investir no índice financeiro S&P 500, é preciso que você se cadastre em uma plataforma de negociação on-line. Lá, você encontrará todas as ferramentas necessárias para apostar na alta ou na baixa da sua cotação.

Invista no S&P 500 agora!*
Os CFDs são instrumentos complexos e comportam um nível de risco elevado de perder dinheiro rapidamente devido à alavancagem. 65% das contas de clientes particulares perdem dinheiro, ao transacionar CFDs com este provedor. Deve ponderar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o risco elevado de perder o seu dinheiro.