O índice da Bolsa de Valores de Londres

A Bolsa de Valores de Londres, também chamada LSE por “London Stock Exchange”, é a principal praça financeira do Reino-Unido e é aí que, diariamente, são trocados os títulos de todas as companhias britânicas cotadas em Bolsa. Como em todas as outras praças financeiras nacionais, a Bolsa de Valores de Londres possui um índice financeiro principal, o FTSE, também apelidado de “Footsie”. É acerca dele que apresentamos a seguir algumas informações.  

75% das contas de clientes particulares perdem dinheiro, ao transacionar CFDs com este provedor. Deve ponderar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o risco elevado de perder o seu dinheiro.

Nossas recomendações para negociar sobre FTSE 100

O índice da Bolsa de Valores de Londres

Bem como a maior parte dos ativos do mercado financeiro, a cotação do FTSE é influenciada por diversos elementos externos que você deve integrar a sua análise fundamentalista, tal como:

  • A conjuntura global do país que, com as atividades e o dinamismo de sua economia, terá uma grande influência sobre a Bolsa e seus valores mobiliários e, portanto, sobre seu índice financeiro de referência. A economia sendo cíclica, interessar-se-á, portanto, aos períodos de crescimento ou, ao contrário, de recessão econômica, que podem ser avaliados a partir de diversos elementos e publicações;
  • A inflação é também um dos elementos mais influentes quando se trata da análise fundamentalista do FTSE. Acompanhar-se-ão, por isso, a impressa econômica especializada e as publicações dos dados oficiais sobre essa questão;
  • Os acontecimentos políticos também têm grande importância. Atentar-se-á com cuidado à política econômica conduzida pelo país e, notadamente, às decisões que terão um impacto direto sobre as atividades das empresas. Outros dados, como catástrofes climáticas ou determinados eventos judiciais afetando grandes empresas compondo o FTSE, também devem ser levados em consideração.
Serviço de CFD. 75% perdem dinheiro

 

Apresentação detalhada do FTSE:

A sigla FTSE (em inglês) corresponde a “Financial Times Stock Exchange”. Esse índice financeiro integra 100 empresas britânicas cotadas na Bolsa de Valores de Londres, selecionadas em função da sua capitalização financeira.

Nota-se também que o índice FTSE 100 é atualmente o mais utilizado dentre os índices da Bolsa londrina.

Para negociar com eficácia esse índice financeiro com os CFD, é importante entender que ele é perfeitamente representativo da economia britânica e da saúde financeira e econômica do país. Para isso, basta observar que as empresas que lá estão representadas correspondem a mais de 80% da capitalização financeira totalda Bolsa de Valores de Londres.

Mas nem todas as empresas que lá estão cotadas têm o mesmo peso no cálculo desse índice.Por isso, é preciso acompanhar de perto os resultados das cinco mais importantes, a saber: BHP Billiton, Royal Dutch Shell, HSBC, Vodaphone et British Petroleum.

 

Histórico das cotações do índice da Bolsa de Valores de Londres:

A análise histórica das cotações do FTSE 100 nos fornece valiosas indicações de como ele reage às diversas situações econômicas e às crises.

Inicialmente cotado em 1.000 pontos como base, foi em 1999 que esse índice atingiu seu mais alto patamar históricoem 6950,60 pontos. Em seguida, ele evoluiu com altos e baixosentre 2006 e 2007, terminandoem 6730,70 pontos.

Como a maioria dos outros índices internacionais, o Footsie sofreu durante a crise dos subprimese baixou para cerca de 5.495 pontos.

É, depois, a crise econômica que levará esse índiceao ponto mais baixo,perto dos 3.500 pontos em 2009. Seguiu-se uma série de recuperações até o nível dos5.500 pontos, em 2010, e depois, uma nova correção baixista.

Desde 2010, o FTSE 100 teve umatendênciageral de evolução altista. Com efeito, pôde‑se constatar uma forte tendência altista emjulho de 2010, que lhe permitiupassar a marca dos 6.000 pontos.Em 2011, esse índice se estabilizou por volta dos 5.800 pontos.

 

As empresas mais importantes da composição do FTSE 100:

OFootsieé, portanto, um índice britânicoque informa sobre a capitalização flutuante ponderada dos 100 ativos britânicos com a maior liquidez e possuindo as mais altas capitalizações financeiras, cotados na Bolsa de Londres.

O FTSE 100 é cotado permanentemente, o que significa que seu preço é atualizado a cada 15 segundos em função da situação do mercado. É importante notar que a composição desse índice financeiro é revisada a cada trimestre. Quando uma empresa listada deixa esse índice, ela é geralmente substituída por uma empresa cotada noFTSE 250, que é a versão ampliada do índice que nos interessa hoje.

Ocorre também queo número de títulos cotados seja superior a 100, principalmente quando empresas emitem váriostítulos distintos. Para melhor entender como é composto o índice financeiro da Bolsa de Londres, ou seja, o FTSE 100, eis aqui as 36empresas mais importantes de sua composição em termos de capitalização:

  • Royal Dutch Shell;
  • BP;
  • Vodafone Group;
  • HSBC;
  • GlaxoSmithKline;
  • AstraZeneca;
  • British American Tobacco;
  • BG Group;
  • Tesco;
  • BHP Hilton;
  • Diaego;
  • Unilever;
  • Imperial TorácicoGrous;
  • Reckitt Benckiser;
  • SABMiller;
  • Standard Chartered;
  • National Grid;
  • Rio Tinto grous;
  • Lloyds TSB;
  • BAE Systems;
  • Centrica;
  • Scottishand Southern Energy;
  • Barclays;
  • Royal Bank of Scotland;
  • British Sky Broadcasting;
  • Prudential;
  • Aviva;
  • British Energy;
  • BT Group;
  • Cadbury;
  • Morrisons;
  • CompassGroup;
  • Rolls-Royce;
  • Sainsbury’s;
  • Reed Esleivier;
  • Shire.

Os diferentes setores de atividades aqui representados são: agroindústria, bancos, energia e petróleo, seguros, distribuição, fabricação de cervejas, mineração, armamento, multimídia, indústriafarmacêutica, varejo, restaurantes, tabaco e telecomunicação.,

Observe também que odesempenho do índice londrino é próximo daqueles do Dow Jones, do CAC 40 e do DAX 30.

 

Histórico da Bolsa de Valores de Londres:

Para investir da melhor maneira na Bolsa de Valores de Londres, seja no seu índice principal, seja nos diversos valores mobiliários que o compõem, por meio dos CFD, lhe propomos de mergulhar no histórico dessa praça financeira que conta dentre as mais importantes do mundo.

Foi em 1773 que nasceu The Stock Exchange, a Bolsa de Valores de Londres tal como a conhecemos hoje, inspirada pelas tradições iniciadas na época da revolução financeira. Anos antes, um certo John Castaing, que trabalhava no Jonathan’s Coffee-House, publicou uma lista de preços intitulada: The Course of the Exchange and other things, ou seja, a cotação das trocas e outras coisas.

Mais tarde, a década de 1840 será o ponto de partida de um período de expansão importante da London Stock Exchange com a aquisição, pela Inglaterra, da metade dos 9.500 quilômetros de estrada de ferro europeus em 1845. Esse evento ocorreu na ocasião do que foi chamado a Railway Mania. As quantias trocadas nas praças financeiras do norte da Inglaterra participaram amplamente desse importante evento. Pouco antes desse período, no decorrer da década anterior, assistiu-se à entrada na Bolsa de vários bancos do país, e tais entradas em Bolsa prosseguiram por mais uma década. Evidentemente, a London Stock Exchange não é a única praça financeira europeia daquela época, sendo diretamente em concorrência com a Bolsa de Paris, situação que se estendeu até a Primeira Guerra mundial de 1914.

Ainda no que se refere aos concorrentes da London Stock Exchange da época, encontram-se também alguns mercados regionais de valores mobiliários no Reino-Unido que ficaram famosos durante seis décadas, de 1869 a 1929. Tais mercados apresentavam a vantagem de serem especializados em certas áreas e seu peso foi aumentando até os anos 1900 de maneira exponencial, notadamente por causa da entrada nas Bolsas de companhias ferroviárias locais. Nos anos que se seguiram, essas praças financeiras iriam sofrer declínio frente ao grande mercado de Londres.

Com efeito, foi naquele período que muitas empresas tomaram a decisão de serem cotadas exclusivamente na Bolsa de Londres. Lembremos que, naquela época, cerca de 25% das empresas eram inscritas ao mesmo tempo na London Stock Exchange e nas bolsas regionais.

 

Histórico recente e grandes operações da Bolsa de Valores de Londres no século XXI:

Passemos agora ao aspecto mais técnico da Bolsa de Valores de Londres com as maiores operações recentes e o histórico dessa praça financeira no século XXI.

Para entender como funciona a London Stock Exchange, é importante lembrar que essa praça financeira recebeu duas propostas de compra por parte do NASDAQ americano. A primeira dessas propostas ocorreu em 2006 e a segunda em 2007, por um montante de 2,7 bilhões de libras esterlinas. A segunda proposta de compra permitiu ao NASDAQ adquirir uma participação de 0,41% que veio se somar aos 28,75% já possuídos pelo mesmo NASDAQ. No entanto, no mesmo ano de 2007, ocorreu a venda de uma participação de 28% do NASDAQ para a Bolsa de Dubai, o que lhe permitiu concluir sua proposta de compra da operadora financeira escandinava OMX.

Ainda no mesmo ano de 2007, a London Stock Exchange compra a Bolsa de Milão por um montante de 1,5 bilhão de euros, aquisição que celebra o nascimento do London Stock Exchange Group, ou LSEG.

Dois anos mais tarde, em 2009, o London Stock Exchange Group apresentou uma proposta de compra de 60% das quotas da plataforma europeia Turquoise, fazendo essa última fusionar com sua própria filial Baikal. Após essa fusão, o LSEG vendeu 9% de suas quotas em Turquoise para outros investidores.

Vale lembrar também do ano de 2011 no que diz respeito ao London Stock Exchange Group, já que é o ano em que o grupo inglês vai fusionar com o Toronto Stock Exchange do Canadá. Fusão essa que revalorizou o LSEG em 3,25 bilhões de dólares, enquanto o Toronto Stock Exchange será valorizado em USD 2,99 bilhões. O novo grupo formado pertence então, com 55%, aos acionistas do LSEG, e com 45% aos acionistas do Toronto Stock Exchange. Contudo, tal fusão acabará em fracasso logo no mês de junho do mesmo ano, e o Toronto Stock Exchange será finalmente comprado por um grupo de investidores canadenses sob o nome de Pale Group.

Durante o verão de 2014, o LSEG anunciou a compra da empresa de serviços financeiros Russel Investment, encarregada do gerenciamento de um fundo de investimentos importante, por um montante total de 2,7 bilhões de dólares. No mesmo ano, a Qatar Holding vendeu um terço de suas quotas, que representavam 15% do total do LSEG, por um montante de 260 milhões de libras esterlinas.

Em 2016, uma nova fusão importante é anunciada, concernente, desta vez, ao London Stock Exchange e a Deutsche Boerse alemã.

Em 2017, o LSEG vendeu a câmara de compensação francesa por um montante de cerca de 510 milhões de euros para a Euronext, ainda com vista a sua fusão com a bolsa de valores alemã. No entanto, um mês depois, em fevereiro de 2017, a Bolsa de Londres cancelou essa operação de fusão por se recusar a vender seus ativos na Itália, uma exigência da comissão europeia no intuito de preservar a concorrência. Tal recusa pelo London Stock Exchange Group acarretou uma oposição formal da comissão europeia ao projeto de fusão.

Finalmente, a última operação de aquisição notável do London Stock Exchange Group concerne à compra da Yeld Book, filial do Citigroup, por um montante de 685 milhões de dólares, em agosto de 2017.

 

Classificação: 3.90 41 votos

O trading on-line do índice da Bolsa de Londres:

Tal como muitos dos grandes índices financeiros, o FTSE pode ser negociado diretamente on line por meio dos CFD. Ao apostar nesses contratos, você poderá negociar tanto na alta como na queda da cotação desse ativo.

Negocie o FTSE 100 agora mesmo!
75% das contas de clientes particulares perdem dinheiro, ao transacionar CFDs com este provedor. Deve ponderar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o risco elevado de perder o seu dinheiro.