Bolsa de Valores de Tóquio cai, menos danos às bolsas de valores da China

  •   26/02/2020 - 14h50
  •   DEHOUI Lionel

A propagação da epidemia do Coronavírus está a causar pânico e as suas repercussões fazem-se sentir mesmo nas bolsas de valores asiáticas. Suspensa durante todo o feriado de segunda-feira, a Bolsa de Valores de Tóquio sofreu mudanças consideráveis. O indicador Nikkei dos 25 melhores valores caiu 3,3% de um nível inicial de 781,33 pontos para um nível inferior de 22.605,41 pontos. O indicador Topix estendido caiu 3,81%.

Negocie já na Bolsa de Valores de Tóquio!
76.4% das contas de clientes particulares perdem dinheiro, ao transacionar CFDs com este provedor. Deve ponderar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o risco elevado de perder o seu dinheiro.
Bolsa de Valores de Tóquio cai, menos danos às bolsas de valores da China
Direitos autorais da imagem: Dick Thomas Johnson - Flickr

Posição no mercado financeiro

Os indicadores financeiros dos mercados chineses recuperaram posições mais ou menos instáveis ou variáveis. O indicador de Xangai caiu 0,60% para um nível de 3.013,05 pontos. Ao mesmo tempo, o indicador Shenzhen recuperou um nível de 1.943,17 pontos. O indicador Hang Seng de Hong Kong subiu significativamente para um nível de 0,13% 60 minutos antes que a bolsa de valores fosse suspensa.

Esses impactos macroeconômicos também são observados em outros países ao redor do mundo. A bolsa européia indica através de certos indicadores que há uma clara regressão dentro do limite de 5%. A bolsa de Paris, em particular, registou uma queda de 3,94%, enquanto a bolsa de Madrid registou uma queda de 4,07%. É quase o mesmo para Milão, que caiu 5,43%, enquanto Londres caiu 3,34%.

Enquanto as ações da bolsa estavam perdendo valor dia após dia, ativos que representam bens materiais e investidores se voltaram para portos seguros para salvaguardar suas ações. Todas estas mudanças devido aos efeitos do coronavírus são motivo de grande preocupação e reflexão. As palavras do gerente financeiro da Dôm, Daniel Larrouturou, acentuam estas questões. Ele disse: "O mercado está preocupado que o aumento de casos fora da China possa resultar em uma pandemia global que pode ter repercussões macroeconômicas significativas". E prossegue: "Enquanto tivéssemos a impressão de que a epidemia estava confinada à China, havia menos motivos de preocupação. Agora que os casos estão a multiplicar-se fora da China, Coreia do Sul, Irão e agora Itália, os mercados estão a reavaliar os possíveis impactos macroeconómicos".

O Coronavírus está a espalhar-se cada vez mais (gradualmente) pelas áreas circundantes no Afeganistão, Bahrain, Kuwait, Iraque e muitos outros países.

 

A recuperação em perigo?

A epidemia está a atingir pontos estratégicos como a Praça Schengen, que é uma região muito animada e movimentada. A propagação do coronavírus levou mesmo a OMS a declarar a situação urgente na segunda-feira, alertando o mundo para esperar possíveis pandemias. Uma das personalidades como Kristalina Georgieva também falou sobre os riscos e consequências deste vírus. Sugere que o coronavírus tinha "interrompido a atividade econômica na China" e poderia "comprometer" a recuperação da economia global.

Também nos Estados Unidos, um economista presidencial disse na segunda-feira que o coronavírus está tendo um impacto negativo sobre a saúde dos americanos.impacto na economia dos EUA e que a extensão dos danos ainda não é capitalizável.

Muitas hipóteses são apresentadas sobre a devastação humana e financeira da epidemia do coronavírus no mundo, sem no entanto tirar Tóquio de sua situação.